Por que os Currículos Ainda São uma Parte tão Valiosa na Busca por Emprego?


Profissionais que auxiliam candidatos a conseguir recolocação profissional sabem que o currículo tem um papel fundamental na contratação. Dicas como aprimore seu currículo, escreva uma boa carta de apresentação, simule perguntas de entrevistas, saiba seu plano de carreira para cinco e para dez anos e saiba falar sobre a transformação de suas falhas pessoais em pontos fortes mostram de longe a importância da preparação para o mercado de trabalho.


No entanto, o jogo está mudando. Temos novas realidades nos processos seletivos e quem busca recolocação profissional precisa se preparar, e já! E não esperar o mercado de trabalho melhorar pra daí sim, procurar ajuda ou começar a pesquisar por vagas. Enquanto você está ocupado com Tik-Tok e outras redes sociais que geram distração, mas não agregam valor ao seu lado profissional, alguém está se preparando e arrancando o trabalho dos sonhos de debaixo do seu nariz.



Alguma vez já se perguntou por que os currículos ainda são uma parte tão valiosa na busca por emprego?


Currículo é um documento que mostra sobre sua cultura, hábitos, história e é considerado o epicentro do processo de busca de emprego há tanto tempo, que é difícil imaginar iniciar um processo seletivo ou algum profissional que faça parte de um ambiente de trabalho, sem ter um.


Um dos exemplos mais antigos de um currículo pertence a ninguém menos que Leonardo da Vinci. Em uma carta de 1482 a Ludovico il Moro, o duque de Milão, da Vinci tenta obter emprego destacando todas as habilidades que ele pode trazer à corte do duque. Apenas a introdução já faz valer a pena:


“Ilustríssimo Senhor, tendo agora considerado suficientemente os espécimes de todos aqueles que se proclamam contratados hábeis dos instrumentos de guerra, e que a invenção e o funcionamento desses instrumentos não são nada diferentes dos de uso comum: vou me esforçar, sem prejudicar ninguém além disso, para me explicar a Vossa Excelência, mostrando a meu senhorio meu segredo e, em seguida, oferecendo-lhes o seu melhor prazer e aprovação para trabalhar com feito, em momentos oportunos, em todas as coisas que, em parte, serão notadas brevemente abaixo.”


Da Vinci, em seguida, lista suas habilidades de engenharia em construir pontes, drenar pântanos, destruir fortalezas, construir catapultas, forjar estátuas de bronze e projetar edifícios elegantes, entre outras coisas.


Os currículos eram simplesmente cartas de apresentação que poderiam abrir as portas para uma conversa mais longa e detalhada entre potenciais empregadores e funcionários. Com o tempo, eles evoluíram para sua atual forma. Trechos do seu histórico de trabalho em uma página digital ou atualmente um vídeo, com o candidato como protagonista de sua história profissional sendo contada em até 2 minutos. Embora as economias e os mercados mundiais tenham evoluído centenas de vezes no mesmo período, muitas pessoas ainda procuram emprego usando técnicas do século XV!


Uma abordagem focada no currículo para a procura de emprego desperdiça tempo e dinheiro do seu potencial empregador. Tentar conseguir uma posição consultando as vagas de emprego e enviando seu currículo e carta de apresentação - a estratégia "tiro certeiro", como os especialistas em aconselhamento de carreira chamam - é terrivelmente ineficiente. O candidato a emprego pode enviar dezenas, se não centenas, de currículos adotando essa abordagem. Em teoria, quanto mais candidaturas você fizer, maiores serão as chances de ser contratado. Na realidade, esse não é realmente o caso.


Gestores, departamentos de RH e recrutadores se utilizam de vários softwares, para acompanhar quem se candidatou a quais empregos. Essas informações são armazenadas para sempre e são facilmente acessíveis com apenas alguns cliques. Além de registrar quem solicitou o quê, os gerentes de contratação podem deixar notas e comentários sobre como foi a entrevista de um candidato ou sobre suas impressões gerais sobre alguém, de modo que um futuro recrutador da mesma empresa já tenha acesso a uma análise do seu perfil profissional. Mais importante, ele pode identificar candidatos em série. Se o seu nome aparecer repetidamente como alguém que está se candidatando a empregos além do nível de experiência, você pode vir a ser incluído em uma lista de não adequado, como um spam por exemplo. Todo mundo está ocupado e a pior impressão que você pode dar a alguém que tem seu “destino profissional” em mãos é de que você gera perda tempo.


Os currículos servem a um propósito, mas não são bons para dizer se alguém está qualificado. Uma pesquisa do CareerBuilder.com de 2013 constatava que 75% dos candidatos nem sequer souberam se seus currículos foram recebidos. Isso é muito esforço para pouca recompensa. Embora possa parecer grosseiro não receber uma resposta quando você envia um currículo, é mais provável que seja apenas um sintoma da natureza mutável do processo de contratação.


Hoje, a Internet tornou mais fácil para as pessoas procurarem empregos - e os empregadores para encontrar possíveis candidatos. O problema é que existem 116 milhões de pessoas on-line no Brasil (Fonte: IBGE 02 Junho de 2020) e isso contribui para um grande número de candidatos.


Dado um número tão grande, não é de admirar que o primeiro estágio do processo de contratação, na perspectiva do empregador, não seja de seleção, mas de des-seleção, eliminando candidatos que não são qualificados por várias razões. Do ponto de vista da avaliação de gargalos em um processo seletivo, a des-seleção é a parte mais crítica do processo de contratação, especialmente considerando que são necessários, em média, 60 dias para preencher uma única posição.


Para lidar com essa quantidade de candidatos, as empresas investem em sistemas de rastreamento de candidatos ou contratam serviços terceirizados para lidar com o processo de contratação - com um valor de até milhões por ano. Essa despesa está basicamente corrigindo uma realidade desnecessária, mas inevitável, do mercado de trabalho atual: as pessoas se candidatam a qualquer vaga, estejam elas qualificadas para cumprir determinada função ou não.


Os sistemas desempenham um grande trabalho de busca por informações, evitando assim o trabalho manual. Tais sistemas não conseguem analisar todo seu histórico profissional e apontar se você é ou não digno de alcançar uma próxima fase do processo de contratação. Em vez disso, eles procuram por palavras-chave, localização e outros pontos de dados concretos. Se não encontrarem dados correspondentes ou compatíveis, seu currículo acabará em um “esquecimento digital”.


Por exemplo, um sistema ou o próprio Linkedin Recruiter pode ser utilizado para procurar candidatos em "Rio de Janeiro", "Engenheiro de projetos" e "analítico" como filtros. Você pode ter a experiência e estar no Rio de Janeiro, mas sem as palavras exatas em seu currículo, sua candidatura não passará nem do primeiro estágio. Para complicar ainda mais, as palavras-chave tornaram-se uma prática tão comum que os programas estão começando a falhar em seu dever principal. Para ignorar os parâmetros não contextuais do software, às vezes tudo o que você precisa fazer é extrair algumas palavras da descrição da publicação de vagas e incluí-las em seu currículo ou carta de apresentação. Já ensinei como fazer isso 😉



Então, o que preciso fazer?


Certifique-se de manter um registro razoavelmente ordenado de suas realizações profissionais, isso facilitará muito o preenchimento de seus perfis on-line. Reveja as tendências e caminhos convencionais da procura de emprego em favor da criação de uma presença on-line que mostre e diga quem você é - e faça da contratação uma prioridade.


Criar uma presença on-line significativa e memorável requer pelo menos tanta atenção aos detalhes quanto na formatação de seu currículo. Ter uma rede como o LinkedIn e deixar lá, descuidado, sem atualização, pode se voltar contra você. O Google tem uma política de rejeitar qualquer candidato que envie materiais que contenham uma palavra com erro de ortografia, por mais compatíveis ou qualificados que sejam. Portanto, faça um favor a si mesmo: leia atentamente qualquer comunicação ou documento antes de publicá-lo ou enviá-lo a um possível empregador.


Enquanto o encanamento do mercado de trabalho on-line pode estar entupido com softwares fáceis de enganar e dezenas de milhões de candidatos (muitas vezes não qualificados) enviando currículos para todas as oportunidades que atingem o topo de seus resultados de pesquisa, como candidato a emprego, você precisa verificar se o seu perfil on-line está adequado, polido e pronto para avaliação.


Continue acompanhando minhas dicas, tire dúvidas, faça perguntas, assista as Lives que realizo com conteúdo de carreira e precisando de um acompanhamento mais personalizado e individual, vamos iniciar suas sessões de recolocação profissional o mais breve possível.


Fonte de inspiração: F*uck your resume by Jeremy Dillahunt


Gostou desse artigo? Compartilhe com os amigos!

Aproveite e siga o instagram @raphaelaraujocoachig

para outras dicas de carreira e conteúdo motivacional.


DESTAQUES

INSTAGRAM

PARA ME SEGUIR

  • White LinkedIn Icon
  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon

RECENTES

CATEGORIAS

ARQUIVOS

COMPARTILHE ESTE SITE

  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Facebook Icon

PARA MELHOR EXPERIÊNCIA, RECOMENDAMOS A VISUALIZAÇÃO DESTE SITE NO NAVEGADOR GOOGLE CHROME.

CURTA A PÁGINA